Depressão pós parto

Entrevista cedida pela psicóloga Denise Gomes para revista Glamour sobre Depressão pós parto

psicólogo para depressão pós parto


- Por que acontece a depressão pós-parto?

Psicóloga: Muitas mudanças ocorrem na vida de uma mulher que acabou de dar a luz. Fatores físicos, emocionais e sociais podem influenciar no surgimento da doença.

- Quais são os sintomas da depressão pós parto?

Psicóloga: Sentimento de tristeza constante, falta de interesse ou prazer nas atividades cotidianas, culpa, distúrbios do sono, cansaço e falta de energia, irritabilidade, isolamento social, baixa auto-estima, desinteresse sexual, choro sem motivo aparente, agressividade, passividade, intolerância ao marido e familiares.

quais os sintomas da depressão pos parto


- Quais as chances de desenvolver depressão pós parto?

Psicóloga: Essa é uma doença que pode acontecer com qualquer mulher que acabou de ter seu bebê. Ela não escolhe idade, classe social ou estilo de vida.
   

- Se eu não amar meu filho logo quando ele nascer, isso significa que estou passando por depressão pós-parto?

Psicóloga: Todas as relações de intimidade são um processo gradual, que podem levar dias, semanas ou meses para acontecer. Cada pessoa tem o seu tempo para essa construção. Esse vínculo irá se formando a  partir dos cuidados cotidianos e da convivência.

- Se eu sofro com depressão, significa que tenho mais chances de ter depressão pós-parto?

Psicóloga: As probabilidades aumentam significativamente  se já existe um  histórico próprio ou familiar.

Como lidar com a depressão pos parto

- Como lidar? Posso ficar perto do bebê sem  ter alguém me acompanhando?

Psicóloga: Uma mulher deprimida tende a cuidar menos de si própria e pode acabar por cuidar menos do bebê também, tem menos vontade de amamentar ou brincar e interagir com ele. Sendo assim, seria importante ter uma ajuda nessa fase conturbada.

- Qual o tipo de terapia mais indicada?

Psicóloga: O tratamento médico e psicoterápico são fundamentais.


Qual terapia indicada para depressão pos parto

- É indicado algum tipo de medicamento para essa fase?

Psicóloga:  Os antidepressivos são frequentemente utilizados pelos psiquiatras nessa fase.


- Qual é o limite de tempo da depressão pós-parto?

Psicóloga: Logo após o nascimento do bebê pode acontecer o  chamado “baby blues”, uma tristeza passageira causada por mudanças hormonais. Se persistir, além de 1 mês após o parto, pode ser sinal de depressão e deve ser tratada o mais breve possível.






Denise Rodrigues Gomes - Psicóloga CRP 06/58464


Esta entrevista foi publicada na Revista Glamour nesta página



Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Trauma emocional e psicológico

Trauma emocional e psicologico

Sintomas, tratamento e recuperação


Se você já experimentou algum trauma pode estar lutando com emoções perturbadoras, memórias assustadoras, ou uma sensação de perigo constante. Ou pode se sentir desconectado, e incapaz de confiar em outras pessoas. Quando coisas ruins acontecem, pode demorar um pouco para superar a dor e se sentir seguro novamente. Mas com as estratégias certas, você pode acelerar a sua recuperação. Mesmo se o trauma tenha acontecido anos atrás ou ontem mesmo, você pode curar e seguir em frente.

Sintomas, tratamento e recuperação do trauma emocional ou psicológico

O que é o trauma emocional e psicológico?


Trauma emocional e psicológico é o resultado de eventos extremamente estressantes que quebram a sua sensação de segurança, fazendo você se sentir impotente em um mundo perigoso.

Experiências traumáticas muitas vezes envolvem uma ameaça à vida, mas qualquer situação que deixa você se sentindo sobrecarregado pode ser traumático, mesmo que não envolva dano físico.
Não são os fatos objetivos que determinam se um evento será traumático, mas a sua experiência emocional subjetiva.

Causas de trauma emocional ou psicológico

Causas de trauma emocional ou psicológico


Trauma emocional e psicológico pode ser causada por:
Eventos repentinos como um acidente, lesão, desastre natural ou ataques violentos
Em curso ou stress continuo, como viver em um bairro de alta criminalidade ou lutar contra uma doença com risco de vida
Algumas causas costumam ser ignoradas como cirurgias, a súbita morte de alguém próximo, o rompimento de um relacionamento significativo, ou uma experiência humilhante ou profundamente decepcionante.

Um evento poderá conduzir ao trauma emocional ou psicológico se:

Aconteceu de forma inesperada.
Você não estava preparado
Você se sentiu impotente para impedir
Acontece repetidamente.
Alguém foi intencionalmente cruel.
Aconteceu na infância.

fatores de risco para trauma emocional ou psicologico

Fatores de risco que aumentam a vulnerabilidade ao trauma:

É mais provável uma pessoa ser traumatizada por uma experiência estressante se:

 - Já está sob uma carga de estresse intenso ou sofreu recentemente uma série de perdas
 - Já foi traumatizado antes, especialmente se o trauma anterior ocorreu na infância

trauma de infancia

Trauma de infância aumenta o risco de trauma futuro

Um trauma experimentado na infância pode ter um efeito grave e de longa duração. Quando o trauma de infância não for resolvido, uma sensação de medo e impotência se transfere para a idade adulta.

Fatores que aumentam a probabilidade de trauma:

    Um ambiente instável ou inseguro
    A separação de um pai
    Doença grave
    Procedimentos médicos invasivos
    Abuso verbal, física ou sexual
    Violência doméstica
    Negligência
    Assédio moral

sintomas do trauma emocional e psicológico

Os sintomas do trauma emocional e psicológico

As pessoas reagem de maneiras diferentes ao trauma, passando por uma ampla gama de reações físicas e emocionais. Não há uma maneira "certa" ou "errada" de pensar, sentir ou responder, por isso não julguemos nossas próprias reações ou as de outras pessoas.

Os sintomas emocionais e psicológicos do trauma:


    Choque, negação, ou descrença
    Raiva, irritabilidade, alterações de humor
    Culpa, vergonha, auto-culpa
    Sentir-se triste ou desesperado
    Confusão, dificuldade de concentração
    Ansiedade e medo
    Afastar-se dos outros
    Sentir-se desligado 

Os sintomas físicos de trauma:

    Insônia ou pesadelos
    Assusta-se facilmente
    Aceleração dos batimento cardíaco
    Dores
    Fadiga
    Dificuldade de concentração
    Nervosismo e agitação
    Tensão muscular

Os sintomas geralmente duram de alguns dias a alguns meses, gradualmente desaparecendo à medida que você processa o trauma. Mas mesmo quando você está se sentindo melhor pode ser perturbado de vez em quando por memórias dolorosas ou emoções em resposta que estásendo desencadeada, como um aniversário do evento ou algo que você lembra do trauma.

Angústia pós trauma

Mesmo que o evento traumático não envolva morte as pessoas podem lidar com perdas, pelo menos temporariamente, do seu sentido de segurança. A reação natural a esta perda é tristeza. Como as pessoas que perderam um ente querido, sobreviventes de traumas passar por um processo de luto , que pode ser mais fácil de suportar quando você liga a outros para receber apoio.

Recuperação de um trauma emocional ou psicologico

Para recuperação de um trauma: Não se isole


Após um trauma você pode querer retirar-se outros, mas o isolamento pode tornar as coisas piores. Estar frente a outras pessoas pode ajudar, por isso, faça um esforço para manter seus relacionamentos e evitar ficar muito tempo sozinho. Caso não esteja conseguindo procure um psicólogo para lhe ajudar.
    Você não precisa necessariamente falar sobre o trauma. Na verdade, para algumas pessoas falar pode piorar as coisas. O conforto vem de se sentir envolvido e aceito pelos outros.

 Pedir apoio

Enquanto você não se sinta à vontade para falar sobre o próprio trauma, é importante que você tenha alguém para compartilhar seus sentimentos, alguém que vai ouvir atentamente, sem julgar você.

Quando procurar ajuda profissional para trauma emocional ou psicológica


Quando procurar ajuda profissional para trauma emocional ou psicológica


Recuperando-se de um evento traumático leva tempo, e cada um se recupera em seu próprio ritmo. Mas se meses se passaram e os seus sintomas não estão diminuindo, você pode precisar de ajuda profissional.

procure apoio para trauma

Procure ajuda para trauma emocional ou psicológica se você:


    Está tendo problemas funcionais em casa ou no trabalho
    Sofre com medos, ansiedade ou depressão
    Percebe-se incapaz de formar relacionamentos próximos e satisfatórios
    Passa por terríveis lembranças, pesadelos ou flashbacks.
    Evita coisas, lugares ou pessoas que o lembra do trauma
    Está emocionalmente dormente e distante dos outros
    Está usando álcool ou drogas para se sentir melhor

Depois de encontrar terapeuta para tratar o trauma, pergunte a si mesmo:

    Você se sentiu à vontade para discutir seus problemas com o terapeuta?
    Você sentiu que o terapeuta entendeu o que você estava falando?
    As suas preocupações foram levadas a sério ou foram minimizados?
    Você foi tratado com respeito?
    Acredita que poderia confiar no terapeuta?

Tratamento para o trauma psicológico e emocional

Tratamento para o trauma psicológico e emocional 

O tratamento para o trauma pode envolver:

    Processamento de memórias e sentimentos relacionados ao trauma
    Trabalhar  a necessidade de "luta ou fuga"
    Aprender a regular as emoções fortes
    Construir ou reconstruir a capacidade de confiar em outras pessoas

Abordagens de terapia para tratamento de traumas

Abordagens de terapia para tratamento de traumas

Os seguintes terapias são normalmente usados ​​no tratamento de trauma emocional e psicológico:
  
 EMDR (Eye Movement Dessensibilização e Reprocessamento) incorpora elementos de terapia cognitivo-comportamental com movimentos dos olhos ou outras formas de estimulação rítmica, esquerda-direita que podem "descongelar" as memórias traumáticas.
A terapia cognitivo-comportamental ajuda a processar e avaliar seus pensamentos e sentimentos sobre um trauma.
Psicanálise, fenomenologia, terapia junguiana, etc.




http://www.helpguide.org/articles/ptsd-trauma/emotional-and-psychological-trauma.htm










Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Acaso, sorte ou esforço?

Nosso destino pode ser controlado, pelo menos em parte, por nossos esforços. Mas sabemos que muito do que ocorre conosco é obra do acaso e que muitas vezes chamamos de sorte, ou má sorte / azar.

acaso sorte ou esforço

O que podemos controlar?

Podemos controlar nossas atitudes em várias áreas, por exemplo nossa carreira, de forma positiva ou negativa, dentro dos limites de nossas ações. Por exemplo, caso percebamos que para conseguir promoções ou até mesmo a estabilidade no emprego precisamos de atualizar cursos ou melhorar o desempenho em alguma área específica, podemos tanto nos empenhar em frequentar estes cursos ou apostar em não fazer os tais cursos com a expectativa de talvez não ser tão necessário assim. Desta forma o empenho em fazer o curso pode ser recompensado quando houver cortes na empresa e você manteve seu emprego, como a pessoa que decidiu por não se atualizar pode ser penalizada com a demissão caso a empresa precise escolher funcionários para cortar.

O que podemos controlar

Houve interferência da sorte ou do acaso? 

Pode ser uma sorte você ter torcido para receber uma dica quanto a melhor forma de melhorar profissionalmente quando alguém apareceu com a informação quanto a necessidade em fazer o tal curso, pode ser um azar que tenha ocorrido uma crise econômica que obrigou a empresa a fazer cortes. Mas o empenho, ou falta dele, foi determinante para o destino de cada um.

Desta forma eu entendo que sorte ou acaso acabam sendo um tanto parecidos

o que e sorte

O que é sorte?

Eu acredito que sorte seria tudo aquilo que acreditamos alterar realizando ações indiretas, por exemplo melhorar o desempenho em reuniões de trabalho cruzando os dedos. Mas será que existe correlação entre cruzar os dedos e ter bom desempenho? Não seria possível que ao cruzar os dedos esta pessoa se sentiu mais segura e acabou se saindo melhor devido a sua segurança e não necessariamente aos dedos cruzados?

O que é acaso

O que é acaso?

Tudo o que ocorre independente de nossas ações ou vontades.

O que é empenho?

Todo esforço, ou falta dele, para que algo seja realizado como por exemplo se preparar, ou não, para a reunião de trabalho.

o que é empenho

No que se empenhar?

Podemos nos empenhar em tudo o que percebemos que nossas ações farão diferença. Podemos nos empenhar em mudar nossas atitudes, melhorar nossos relacionamentos, nossos conhecimentos, nossas habilidades, etc. Podemos fazer muito por nos mesmos.
Temos limitações no que se refere à mudança de comportamento alheio. Uma mãe pode passar muita informação e exemplos para seu filho mas haverá o limite de sua personalidade, capacidade de absorção, etc.
Podemos ter relacionamentos melhores caso nos empenhemos em oferecer o que o outro precisa ou em entender como trocar afeto de forma harmoniosa,








Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Como é a terapia de familia


como e a terapia de familia
Como é a terapia de família



Terapia de Família ajuda as pessoas em uma relação estreita de ajuda mútua


Ela permite que os membros da família, casais e outros que se preocupam uns aos outros a expressar e explorar pensamentos e emoções difíceis, para compreender experiências e pontos de vista uns dos outros, apreciar as necessidades do outro, construir pontos fortes e fazer alterações úteis em seus relacionamentos e suas vidas.

As pessoas podem perceber a Terapia Familiar útil por ser uma oportunidade para refletir sobre relacionamentos importantes e encontrar maneiras para lidar com as dificuldades.

Psicologia familiar

Psicologia Familiar pretende ser:


  -  Inclusiva e atenciosa com as necessidades de cada membro da de família e / ou outros relacionamentos importantes na vida das pessoas
  -  Reconhecer e construir  os pontos fortes de cada um
 -   Sensível às diversas formas de família e relacionamentos, crenças e culturas
 -   Permitir que as pessoas falem, em conjunto ou individualmente, muitas vezes sobre questões difíceis ou angustiantes, de maneira a respeitar as suas experiências, com engajamento e recuperação de apoio.
    

Terapia de familia entre mae e filha
Terapia de família entre mãe e filha
   

A terapia de família pode ser realizada com apenas dois membros da família, por exemplo mãe e filho, avó e neta, etc.


     Fonte: http://www.aft.org.uk/consider/view/family-therapy.html

 psicoterapeuta familiar

psicoterapeuta familiar







Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Preconceito - Quase uma preguiça mental




Preconceito é uma crença de saber muito a respeito de outra pessoa tendo apenas uma detalhe como informação. Trata-se do desconforto do desconhecido.







Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Traição - Como Lidar?





 Muitos se perguntam o que fazer quando descobrem uma traição. Neste vídeo vamos conversar um pouco sobre a necessidade de algumas pessoas em descobrir uma possível traição.







Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Comportamentos autodestrutivos




Excesso de queixas, procrastinação, dependência, falta de curiosidade, medo de errar, autopiedade, etc, podem parecer até uma forma de conseguir acolhimento mas podem limitar sua possibilidades para uma vida plena.










Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Como castigar um filho



 É possível passar a mensagem errada a uma criança quando se aplica um castigo, pois palavras ditas de forma errada ou na hora errada podem não oferecer um ensinamento mas infringir mágoas.











Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Vingança - Se é tão ruim, porque parece boa?


 Doce vingança - Será mesmo?


Pesquisas mostram que a sensação de bem estar oferecida pela vingança pode virar um amargo difícil de engolir a médio prazo. Veja mais neste vídeo










Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Profecia auto realizadora - Vídeo



As coisas acontecem conforme o que acreditamos que acontecerá


Neste vídeo falamos um pouco sobre: Como fazemos as coisas acontecerem e nem percebemos nossa interferência.








Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Personalidade boa - Existe isso?



Seria correto dizer que uma pessoa tem personalidade boa e outra ruim? Quantos tipos de personalidade existem?
Vamos falar um pouco sobre isto neste vídeo.








Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Atendimento psicológico gratuito em São Paulo



psicologo gratuito atendimento psicologico gratis


Um blog chamado Psicologia Explica postou um artigo que considerei tão útil que vou colocar o link aqui para que você que precisa um psicólogo gratuito também tenha acesso às informações.

Lista dos locais que oferecem psicoterapia gratuitamente AQUI












Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Como é a ajuda oferecida pelo psicólogo?


 Como a psicoterapia pode ajudar

Algumas vezes sentimos que precisamos de alguém para nos ajudar a pensar melhor, a identificar formas de lidar com nossas dificuldades, tomar decisões, enfrentar crises de ansiedade ou depressivas, superar a dor de uma separação, aprender a nos comunicar melhor, enfim questões que de alguma forma se relaciona com nossos sentimentos, comportamentos, emoções ou pensamentos. O psicólogo, através da psicoterapia pode oferecer esta ajuda.










Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Teste Vocacional - Orientação vocacional



Teste vocacional ou orientação vocacional


Escolher  uma profissão pela primeira vez, quando por exemplo pretende-se prestar vestibular, ou quando deseja-se mudar de área, pode ser algo que traz alguma angustia, afinal de contas o investimento pode ser alto e o tempo dedicado tanto na preparação, como por exemplo frequentar cursos, faculdade, fazer trabalhos, também pode ser longo.

O teste vocacional, ou o trabalho da orientação vocacional podem ser até mesmo um mecanismo de economia pois poderá evitar custos com cursos que podem ser identificados mais tarde como não adequados devido a restrita área de trabalho ou não identificação com a profissão.










Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Preocupação. Ajuda em alguma coisa ou só atrapalha?




Neste vídeo sobre temas de psicologia vamos falar sobre como a Preocupação pode ser útil até certo ponto. Vamos saber quando ela passa a causar prejuízos.












Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Brigas bobas no relacionamento - Vídeo



 Neste vídeo sobre relacionamento vamos falar sobre algumas brigas que parecem bobas mas não são, outras até são causadas por coisas pequenas mas a repetição pode prejudicar muito o relacionamento.










Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Como é a psicoterapia fenomenológica

Como é a psicoterapia fenomenológica
Como é a psicoterapia fenomenológica
Na fenomenologia  existe a predisposição de se retirar dos fenômenos, todo e qualquer expectativa que o observador possa ter acerca do mesmo, bem como todas as interpretações, estudos e pré-conceitos acerca do fenômeno que surge. É possibilitar que o ser surja e mostre-se como realmente é.

diagnostico na fenomenologia

Diagnóstico na Fenomenologia

Para a realização do diagnóstico na psicoterapia de abordagem fenomenológica muito mais importante é a intuição do que o conhecimento prévio sobre sinais e sintomas dos problemas psicológicos do paciente. O psicólogo compreende que devem ser observadas as formas de relação do paciente com o mundo. Não apenas limitar a categorias para então fechar um diagnostico.





filosofia fenomenologica

Filosofia Fenomenológica

Na filosofia fenomenológica (e em particular na obra de Husserl, Heidegger e Merleau-Ponty), "experiência" é um conceito muito mais complexo do que geralmente utilizado diariamente. A experiência (ou o ser, ou a própria existência) é um fenômeno em-relação-a-algo.



Trabalho do psicoterapeuta fenomenológico

Trabalho do psicoterapeuta fenomenológico

No trabalho com embasamento fenomenológico não há o julgar ou focalizar um qualquer ponto em particular. Este tipo de investigação requer um estado interno liberto de preconceitos, intenções e julgamentos, particularmente relacionados com os movimentos internos, tais como sensações, sentimentos ou ideias. A atenção é ao mesmo tempo dirigida e sem sentido, focalizada e aberta.



A realidade na fenomenologia

A realidade na fenomenologia

A fenomenologia trabalha na percepção da realidade existencial do sujeito e seu histórico, buscando as experiências singulares deste existir e, junto com o próprio sujeito, compreender a própria existência e seus significados, permitindo-se à reflexão mais apurada dos
fenômenos que surgem e do universo de escolhas. É fundamental descobrir e criar
possibilidades para que se possa escolher, além de perceber o fenômeno tal como
ele realmente é, permitindo que tenhamos o resgate da coragem e da vontade de
viver, construindo-se a si mesmo nesta jornada.

Psicólogo fenomenológico em SP

Psicólogo fenomenológico em SP






 Psicoterapia fenomenológica em SP
Psicoterapia fenomenológica em SP






Psicanálise fenomenológica em SP
Psicanálise fenomenológica em SP







   Psicólogo fenomenologia
Psicólogo fenomenologia














Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Vingança - Se é tão ruim porque parece boa?

 

A psicologia da vingança


Muitas vezes somos alimentados pelo desejo de causar danos a quem também nos causou. Queremos que a dor infligida na outra pessoa sirva como "aprendizado".

Ações alheias nos motiva a também agir, mas quando a ação do outro causa algum prejuízo em nós a força de nossa resposta parece ser mais forte, algumas vezes a retaliação parece ser mais forte do que a retribuição a uma gentileza.

Vingança tem a ver com o desejo de punição e justiça,  muitas vezes com as próprias mãos.

Trata-se do desejo de revidar, de que a outra pessoa sofra o mesmo tanto, ou mais que nós sofremos por conta da ação desta pessoa.

Você já foi injustiçado e desejou poder punir o agressor? Este desejo está dentro de nós. A vingança é uma poderosa força interna que devemos procurar entender.

ciencia da vingança

A ciência da vingança


Um grupo de pesquisadores suíços queria saber o que acontece no cérebro quando alguém deseja vingança. Para isso escanearam os cérebros de pessoas que tinham acabado de ser prejudicado durante um jogo no laboratório. Os pesquisadores, então, derão ao participante prejudicado a chance de punir a outra pessoa por um minuto como vingança enquanto a atividade no seu cérebro estava sendo monitorada.    Imediatamente notaram uma onda de atividade neural no núcleo caudal. Esta é a parte do cérebro conhecida por processar recompensas.

Conclusão:  A vingança é bastante gratificante.
No entanto, eles queriam saber mais uma coisa: Será que a vingança mantém a sensação gratificante a longo prazo?

efeitos a longo prazo de Vingança

Os efeitos a longo prazo de Vingança

Muitas vezes acreditamos que se vingar funciona como uma forma de liberação emocional que  ajudaria a  nos sentir melhor. Os filmes, novelas e seriados muitas vezes retratam o ato de vingança como uma forma de final feliz. Mas, na realidade, vingança tem o efeito oposto.

Mesmo que os primeiros momentos sejam gratificantes, os cientistas psicólogos descobriram que, em vez de extinguir hostilidade, a vingança prolonga o dissabor da infração inicial, ou seja ficamos mais angustiados ainda pelo dano que sofremos.

Em vez de fazer justiça, vingança, muitas vezes cria um ciclo de retaliação.




Frases sobre vingança: "Um homem que medita vingança, mantém suas próprias feridas abertas, que de outra forma iriam curar." -Francis Bacon

desejo de vingança

O que fazer com o desejo de vingança


Vingança reabre e agrava as feridas emocionais. Mesmo que você tente punir alguém que tenha errado, você acaba punindo a si mesmo porque impede a cura da sua dor.

Mas o que você faria se fosse injustiçado? Como você pode lidar com os sentimentos intensos de retaliação? O que você fazer ao sentir uma necessidade intensa de vingança?

Há uma maneira saudável de lidar com esses sentimentos que podem ajudar a curar e dar o seu cérebro a mesma quantidade de recompensas sem as consequências

Vingança saudável

Vingança saudável


"A melhor vingança é ser bem sucedido." -Frank Sinatra

A próxima vez que você sentir tentação de vingança você pode usar essa energia para conquistar seus objetivos.


Vingança - Se é tão ruim porque nos sentimos tão bem?

Vingança - Se é tão ruim porque nos sentimos tão bem?


A sede de vingança é atemporal. É tão clássico como Homero e Hamlet, e tão contemporâneo quanto Don Corleone e Quentin Tarantino; tão antiga quanto os olhos e dentes negociados na Bíblia, e tão recebte como o ataque que tirou a vida de Osama bin Laden. Mas enquanto a ideia de vingança é, sem dúvida deliciosa. A execução da vingança tem um custo amargo de tempo, energia emocional e física, e em alguns casos de vidas.

Cientistas, psicólogos comportamentais observaram que, em vez de extinguir hostilidade, vingança pode prolongar o desconforto do dano original e que simplesmente causar danos em um infrator não é suficiente para satisfazer espírito vingativo de uma pessoa. Eles também descobriram que, em vez de entregar a justiça, vingança, muitas vezes cria um ciclo de retaliação. O resultado dessas percepções oferece uma melhor noção de por que a busca de vingança tem persistido através dos tempos, apesar do gosto muito mais amargo do que o anunciado.

Vingança é um prato que se come frio

Vingança é um prato que se come frio?


Muitos acreditam que haverá uma certa catarse emocional ao praticar vingança. Esta ideia, ainda amplamente difundida na cultura popular, sugere que a ventilação da agressão  a aliminaria. Mas a pesquisa empírica não conseguiu validar a teoria da catarse, e um trabalho recente contradiz inteiramente. Em um artigo de 2002 na Personality and Social Psychology Bulletin, APS companheiro Brad Bushman da The Ohio State University relataram níveis mais elevados de agressão em pessoas que supostamente havia exalado sua raiva do que naqueles que não tinha feito nada. Ou seja, comportamentos vingativos tornam o vingador cada vez mais agressivo.

Vingança entrega uma mensagem

Vingança entrega uma mensagem?

A busca por esse lado agradável de retaliação tem impulsionado o trabalho recente do alemão cientista psicológico Mario Gollwitzer. "Eu acho que se vingar tem geralmente uma baixa chance de ser sucesso ou satisfação para o vingador", diz Gollwitzer. "Eu estava interessado nos casos em que a vingança poderia ser" doce ", e quis saber o que exatamente é que faz doce vingança para o vingador."


Gollwitzer explorou duas teorias de por que a vingança pode ser gratificante. O primeiro é conhecido como "sofrimento comparativo," a ideia de que simplesmente vendo um delinquente sofrer restauraria o equilíbrio emocional. A segunda teoria - a "hipótese da compreensão" - sustenta que o sofrimento de um criminoso não é suficiente, por si só, para conseguir vingança verdadeiramente satisfatória. Em vez disso, o vingador deve ser assegurado que o agressor fez uma conexão direta entre a retaliação e o comportamento inicial.

As descobertas de suas pesquisas sugerem que a vingança pode ter sucesso apenas quando um criminoso entende por que o ato de vingança ocorreu.
"A constatação de que  o agressor  reconhece que errou já seria uma vingança parece sugerir que - na perspectiva do vingador - a vingança implica uma mensagem", diz Gollwitzer. "Se a mensagem não é entregue, não se pode restabelecer a justiça."



porque as pessoas se vingam

Mas se a vingança tem um gosto tão ruim para a pessoa, por que ele continuará a ser um prato favorito das pessoas?

 Em resposta a esta aparente contradição, muitos cientistas psicológicos abraçaram uma explicação evolutiva de vingança. Michael McCullough e Benjamin Tabak, da Universidade de Miami, juntamente com Robert Kurzban, da Universidade da Pensilvânia, preparam recentemente um capítulo de livro que descreve função adaptativa de retorno. Eles argumentam que os atos individuais de vingança servem como anúncios de que certos comportamentos irão provocam retaliação. Em outras palavras, o propósito de vingança pode ser menos sobre como responder a uma ofensa particular do que sobre a prevenção.

McCullough e seus co autores argumentam que a vingança desencoraja diretamente um potencial agressor visto que pode ser retaliado. O segundo efeito de vingança é indireta. Por vingar ações específicas, uma pessoa pode estabelecer uma conduta aceitável e evitar futuros confrontos. Neste sentido, a reputação impede vingança. Ou seja, o vingador se compromete publicamente com a moral que defende impedindo-o de ser ele mesmo também um agressor.


Decidir por não se vingar é mais do que bondade

Decidir por não se vingar é mais do que bondade


A decisão de renunciar a vingança não é necessariamente um ato de bondade humana, mas uma necessidade que nos orienta a favor do perdão.

"Você tem que ter alguma forma de manter relacionamentos, mesmo que seja inevitável que alguem vá  prejudicar os seus interesses em algum momento", diz McCullough, que também é o autor de Beyond Revenge: The Evolution of a Forgiveness Instinct (2008). "O instinto do perdão, que permite às pessoas suprimirem o desejo de vingança  sinaliza a sua vontade de continuar, mesmo que alguém tenha prejudicado os seus interesses, supondo que a pessoa vai abster-se de fazê-lo novamente no futuro ".

Referencias:

Bushman, B. J. (2002). Does venting anger feed or extinguish the flame? Catharsis, rumination, distraction, anger, and
aggressive responding. Personality and Social Psychology Bulletin, 28, 724–731.

Carlsmith, K. M., Wilson, T. D., & Gilbert, D. T. (2008). The paradoxical consequences of revenge. Journal of
Personality and Social Psychology, 95, 1316–1324.

de Quervain, D. J.-F., Fischbacher, U., Treyer, V., Schellhammer, M., Schnyder, U., Buck, A., & Fehr, E. (2004). The
neural basis of altruistic punishment. Science, 305, 1254–1258.

Gollwitzer, M., Meder, M., & Schmitt, M. (2011). What gives victims satisfaction when they seek revenge? European
Journal of Social Psychology, 41, 364–374.

Kasier, C. R., Vick, S. B., & Major, B. (2004). A prospective investigation of the relationship between just-world beliefs
and the desire for revenge after September 11, 2001. Psychological Science, 15, 503–506.

McCullough, M. E. (2008). Beyond revenge: The evolution of the forgiveness instinct. San Francisco, CA:
Jossey-Bass.

McCullough, M. E., Kurzban, R., & Tabak, B. A. (2010). Evolved mechanisms for revenge and forgiveness. In P. R.
Shaver & M. Mikulincer (Eds.), Understanding and reducing aggression, violence, and their consequences (pp. 221–239). Washington, DC: American Psychological Association.

Stillwell, A. M., Baumeister, R. F., & Del Priori, R. E. (2008). We’re all victims here: Toward a psychology of revenge.
Basic and Applied Social Psychology, 30, 253–263.


Fonte: http://www.psychologicalscience.org


Frases de vingança

Frases de vingança

 Não vingue-se, que da vingança vem o arrependimento.
Confúcio

O melhor modo de vingar-se de um inimigo, é não se assemelhar a ele.
Marco Aurélio


Não conheço vingança perfeita. Não se vingar talvez seja a melhor vingança. Fazer esperar uma resposta que nunca virá.
Fabrício Carpinejar

Antes de sair em busca de vingança, cave duas covas.
Confúcio


O desprezo é a forma mais subtil de vingança.
Baltasar Gracián y Morales

Ai! Que vale a vingança, pobre amigo. Se na vingança, a honra não se lava?
Castro Alves






Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui

Distorções cognitivas

distorção cognitiva

Distorções cognitivas são falhas em nossa interpretação de eventos externos, ou internos. São formas de nossa mente nos convencer de que algo, não verdadeiro,  está de fato acontecendo.
Ex: "Jamais conseguirei passar na prova". "Nunca me convidam para sair".

pensamento distorcido

Testar e desafiar pensamentos distorcidos automáticos


Ao avaliar e testar os pensamentos automáticos, suposições ou regras não adaptativas, o terapeuta pode realizar um conjunto de perguntas para identificar o que este pensamento representa para o paciente.


percepção distorcida dos fatos

E se o pensamento automático (percepção distorcida dos fatos) for verdade? 

O terapeuta deve ter em mente que alguns pensamentos automáticos podem ser parcialmente ou mesmo em grande parte verdade. A terapia cognitiva não é sinonimo de  poder do pensamento positivo ou simplesmente a refutação de cada crença negativa que o paciente tem. Quando os pensamentos automáticos são verdadeiros o terapeuta pode determinar se as mudanças comportamentais são indicadas ou se suposições subjacentes do paciente precisam ser modificadas.

Por exemplo, uma mulher que havia sido rejeitada em entrevistas de emprego por mais de dois anos tinha o pensamento automático que ela seria incompetente para o trabalho. O terapeuta e a paciente coletaram informações sobre as entrevistas e, na verdade, ela havia sido rejeitadas em cada um delas devido ao sua postura na entrevista e não devido à sua capacitação profissional.

O terapeuta realizou um ensaio comportamental, onde a paciente praticava sua entrevista com o terapeuta durante a sessão. Foi evidente a postura defensiva, ensimesmada , e muito ansiosa para fazer oferecer uma boa impressão.
Terapeuta: "Você não tem boa postura na entrevista. Paciente: É como eu imaginava. Nunca vou conseguir um emprego. Terapeuta: Não, na verdade isso foi uma grande descoberta. Agora sabemos exatamente o que você tem que mudar, a fim de conseguir um emprego. Temos, agora que trabalhar em boas habilidades de entrevista."

erro de pensamento

Doze perguntas a fazer sobre um pensamento automático (ou erro de pensamento)


    Que distorção cognitiva você está usando? Você está participando de rotulagem, o pensamento de tudo ou nada, catastrofização?
    Quanto você acredita neste pensamento?
    Quais são as vantagens e desvantagens desse pensamento?
    Qual é a evidência a favor e contra este pensamento?
    Qual é a  prova que ele é correto? Você poderia convencer um júri de que a sua interpretação negativa é a melhor ou a única válida?
    E se o pensamento for verdadeiro? Por que isso te incomoda?
    Mesmo que o pensamento seja verdadeiro, você poderia pensar em outros comportamentos positivos?
    Se um amigo tivesse este problema, que conselho você daria a ele? Você iria julgá-lo negativamente como julga a si mesmo? Por que ou por que não?
    Quantas vezes no passado você teve esse tipo de pensamento? Você já esteve errado?
    Existe algo que você poderia fazer para determinar se esse pensamento é verdadeiro?
    Se o pensamento for verdade, existem algumas coisas que você pode fazer para melhorar a situação?

conclusões errôneas


Distorções cognitivas- conclusões errôneas


    Leitura da mente: 
Você supõe que sabe que as pessoas pensam sem ter provas suficientes de seus pensamentos.
Ex:  "Ele acha que eu sou um perdedor."

 Adivinhação: 
Você prevê o futuro.
Ex: "Eu vou deixar esse exame" e "Eu não vou fazer o trabalho."

 Catastrofização: 
Você acredita que o que aconteceu ou vai acontecer é tão terrível e insuportável que você não será capaz de suportá-lo.
Ex: "Seria terrível se eu não..."

Rotulagem:
Você atribui traços negativos globais para si e aos outros.
Ex: "Estou indesejável" ou "Ele é uma pessoa má."

Desconsiderando o lado positivo: 
Você afirma que seus aspectos positivos ou de outras pessoas são triviais
Ex: "Isso é o que as mulheres devem fazer, por isso não conta quando ela é boa para mim." "Esses sucessos foram fáceis, por isso eles não importa."

 Filtro negativo:
 Você se concentra quase exclusivamente sobre os aspectos negativos e raramente nota os aspectos positivos.
Ex:"Olhe para todas as pessoas que não gostam de mim."

Generalização:
Você percebe um padrão global negativo com base em um único incidente.
Ex: "Isso geralmente acontece para mim. Eu pareço falhar em um monte de coisas."

Pensamento dicotômico: 
Você percebe eventos ou pessoas em termos de tudo ou nada.
Ex: "Eu sou rejeitado por todos" ou "Foi uma perda de tempo."

  Deveria:
 Você interpreta eventos em termos de como as coisas deveriam ser, em vez de simplesmente se concentrar no que é.
Ex: "Eu deveria fazer bem. Se eu não fizer isso, então eu sou um fracasso."

  Personalizar:
Você atribui uma quantidade desproporcional de culpa a si mesmo por acontecimentos negativos e deixar de ver que certos eventos também são causados ​​por outros. "O casamento acabou porque eu não."

Culpar:
Você considera outra pessoa como a fonte de seus sentimentos negativos, e recusa-se a assumir a responsabilidade de mudar a si mesmo.
Ex: "Ela é a culpa pela maneira como me sinto agora" ou "Meus pais causou todos os meus problemas."

Comparações injustas:
Você interpreta os acontecimentos em termos de padrões que são não realistas; por exemplo, você se concentram principalmente em outros que fazem melhor do que você e sente-se inferior por comparação.
Ex: "Ela é mais bem sucedido do que eu sou" ou "Outros fizeram melhor do que eu no teste."

 Arrependimento:
 Você se concentra na ideia do que poderia ter feito melhor no passado, e não naquilo que você pode fazer melhor agora.
Ex: "Eu poderia ter tido um trabalho melhor se eu tivesse tentado" ou "Eu não deveria ter dito isso."

 E se ?:
Você faz uma série de perguntas sobre "e se" algo acontece, e não se sente satisfeito com qualquer uma das respostas.
Ex: "Sim, mas e se eu ficar ansioso? E se eu não conseguir recuperar o fôlego?"

Raciocínio emocional: 
Você deixa seus sentimentos orienta a sua interpretação da realidade;
 Ex "Eu me sinto deprimido, portanto, meu casamento não está funcionando."

 Incapacidade de refutar: 
Você rejeita quaisquer prova ou argumento que possa contradizer seus pensamentos negativos. Quando você pensa, "Eu sou amado," você rejeita como irrelevante qualquer evidência de que pessoas o amam. Consequentemente, o seu pensamento não pode ser refutado:
Ex: ". Esse não é o problema real problemas mais profundos Há outros fatores.".

 Foco no julgamento:
Você vê a si mesmo, aos outros e eventos em termos de avaliação de exageradamente boas ou exageradamente ruins, ao invés de simplesmente descrever, aceitar, ou compreensão. Você está medindo continuamente a si mesmo e aos outros de acordo com padrões arbitrários, achando que você ou os outros estão aquém.
Ex: "Eu não tive um bom desempenho na faculdade" ou "Se eu tentar jogar tênis, eu não serei bom o suficiente" ou "Olhe o quão bem sucedido ela é. Eu não sou bem sucedido."



Fonte: Robert Leahy-  Terapia Cognitiva: Princípios Básicos e Aplicações 1996



Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Informações e valores com psicoterapeuta Aqui
Escolha seu psicólogo Aqui
Agende sua consulta com psicólogo Aqui